Foto: Polícia Civil/Agora Laguna

Uma operação conjunta das polícias Civil e Militar de Laguna prendeu nesta segunda-feira, 19, em Campos Verdes, região da ilha, um suspeito apontado autor dos disparos de arma de fogo que quase tiraram a vida de R.S.R., 31 anos. O homem, J.C.G., 39 anos, foi detido em casa pelos agentes.

Segundo informou a Divisão de Investigação Criminal (DIC), responsável pela apuração do crime, no momento em que foi abordado, o detido não mostrou reação e chegou a dizer aos policiais que a arma havia sido perdida em meio à vegetação nativa próxima de sua residência. No imóvel, foram apreendidos dois celulares e munição de calibre 12 gauge.

O crime aconteceu no começo do mês, no dia 4. À época, R.S.R., conhecido do meio policial já tinha sido alvo de atentado dias antes de ser baleado e foi atingido no pescoço, boca e ombro.

A prisão temporária faz parte das investigações desencadeadas pela divisão. Os agentes investigam crimes de porte ilegal e disparo de arma de fogo, tentativa de homicídio qualificado, coação no curso do processo, dentre outros pontos.

A DIC informou que fará uma simulação de como aconteceu o crime para confrontar as versões do autor e da vítima, com atividade pericial no local.

Posição da defesa

Em contato com o Portal Agora Laguna, o advogado de defesa, Breno Schiefler Bento, emitiu a seguinte nota:

“J.C.G teve uma discussão provocada pela suposta vítima no dia 03/09, quando a mesma alegou que foram efetuados disparos em sua direção (o que não ocorreu). No dia seguinte, 04/09, pela manhã a suposta vítima se dirigiu novamente ao porto de Campos Verdes e aguardou o retorno do J.C.G da sua pescaria. Quando o mesmo desembarcou, a suposta vítima partiu na sua direção proferindo xingamentos e ameaças com um martelo na mão, momento que o J.C.G efetuou um disparo com uma espingarda calibre 12 cano cerrado com munição não letal (chumbinho) para fazer cessar o injusto ataque do Sr. R.S.R. e saiu do local para evitar novas discussões. O único disparo atingiu a suposta vítima em 3 locais, sendo que a mesma sequer correu risco de vida, recebendo alta já no dia seguinte. Imediatamente J.C.G se apresentou espontaneamente na delegacia para prestar os esclarecimentos, apresentando inclusive testemunhas que presenciaram os fatos. J.C.G foi liberado pela autoridade policial e surpreendido dias depois com o mandado de prisão. Em momento algum J.C.G se negou a prestar esclarecimentos ou tentou fugir. Continuou residindo no mesmo local e não resistiu a prisão. As medidas cabíveis estão sendo tomadas para cessar a injusta privação da liberdade do Sr. J.C.G e o mesmo está colaborando com as investigações. Por fim, cumpre salientar que a suposta vítima é pessoa conhecida na comunidade pelos inúmeros delitos praticados possuindo 77 boletins de ocorrência registrados”.

Atualizada às 19h20, do dia 17/09/2019.