Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Um dos últimos passos para a reabertura oficial do Mercado Público, que tem a data da entrega das obras previstas para o dia 6 de dezembro, começou a ser dado. A prefeitura de Laguna e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) oficializaram, nesta terça-feira, 24, quais serão os usos dos 24 espaços comerciais disponíveis no prédio.

A intenção dos dois órgãos é que a edificação não perca as características originais da sua inauguração, feita na metade do século passado. O prédio passa por obras de restauro e modernização desde 2014, que chegaram a ficar paralisadas por quase três anos em virtude de problemas judiciais. Os recursos, na casa de R$ 5,6 milhões, vieram dos cofres do BNDES (via Lei Rouanet) e governo municipal.

Apesar da definição, o edital de licitação para a concessão dos espaços com prazo de dez anos, segue na fase de preparação pelo setor jurídico da administração municipal, que deve ser concluído após a realização do orçamento do processo.

Entre as novidades, o Mercado Público vai ganhar identidade visual própria, que poderá ser aplicada em lugares ou itens de bens comuns.

Usos do mercado

Na parte superior da edificação, está previsto o funcionamento de um restaurante com a utilização do deck existente. Já no térreo do prédio vão funcionar os principais comércios. Os espaços serão preenchidos com bares, empórios (laticínios; de bebidas; de mel; de vinho), cervejaria artesanal, sorveteria, cafeteria e armazém para produtos orgânicos.

Outros usos previstos são: cestaria, verdureira, padaria artesanal, tabacaria, floricultura, comércio de souvenir, restaurante saudável, acessórios para pesca, peixaria, açougue e feira de hortifrutigranjeiros.