Quase 10 meses depois, desativação do emissário submarino do Mar Grosso deve iniciar no fim de agosto

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 76 visualizações,  4 views today

Prevista para ter sido realizada nos últimos meses de 2018, a desativação do emissário submarino do Mar Grosso deve iniciar entre o fim de agosto e os primeiros dias de setembro, segundo informou à reportagem o chefe da agência da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), Giovani Pickler. Em dezembro do ano passado, a estrutura chegou a colapsar, após entupimento que provocou o transbordo dos efluentes em via pública.

A execução do serviço será feita pela empresa Incosan, de São José, que venceu a licitação terminada no último dia 06. Os trabalhos de desativação e direcionamento para a estação da Vila Vitória devem durar de três a seis meses.

“Até dezembro, acredito, o emissário estará eliminado e a gente vai começar a jogar esse esgoto para a Vila Vitória”, prevê Pickler. O processo para desativar foi iniciado em 2016, no primeiro edital não houve concorrentes e no segundo, a vencedora desistiu da operação.

Como funciona o emissário atualmente

Atualmente, o esgoto das residências e estabelecimentos comerciais, localizados entre a região das praças Francisco Pinho e Nelson Moreira (praça do Villa), é transportado por tubulações subterrâneas até uma estação elevatória situada próximo ao Hotel Renascença. Lá, os resíduos passam por um gradeamento, promovendo um condicionamento prévio dos sólidos maiores, porém, sem impedir a passagem de objetos menores.

O emissário submarino não permite a utilização de tratamentos específicos nos resíduos, antes do despejo em alto mar. “Na época exigia-se somente isso, atualmente o esgoto deve passar por três processos de limpeza”, conta o engenheiro responsável pelo projeto, André Labanoski.

A estrutura, erguida em 1986, possui 1,5 km de extensão com 12 metros de profundidade.

Notícias relacionadas