Diretores do hospital de Laguna se reúnem com vereadores

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 260 visualizações,  8 views today

Toda a crise financeira vivida pelo Hospital de Caridade Senhor Bom Jesus dos Passos de Laguna foi mais uma vez debatida durante reunião na Câmara de Vereadores, na tarde desta sexta-feira, 16.

O encontro aconteceu depois de uma coletiva de imprensa realizada na casa hospitalar, onde foi anunciada a suspensão dos atendimentos eletivos a partir do dia 19 de agosto, segunda-feira. A unidade manterá apenas os atendimentos de urgência e emergência. A maternidade, ala psiquiátrica, centro cirúrgico e as internações são alguns dos serviços que deixarão de ser ofertados.

De acordo com o médico e presidente do hospital, Fernando Henrique Pache, os serviços oferecidos serão mantidos apenas com recursos próprios. Na oportunidade, foi divulgado um encontro no dia 26 de agosto, às 19h30, na Udesc, para trazer os números detalhados da auditoria contratada pela atual gestão em março. Preliminarmente o valor do débito gira em torno de R$ 8 milhões. “Não teremos mais segredos no hospital”, afirma Pache.

Atualmente, 96% dos atendimentos são realizados através de convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS), que não foi renovado por falta das Certidão Negativa de Débito (CND) de nível federal, por conta de dívidas existentes. Na justiça, o hospital tenta conseguir uma liminar para ter a certidão de forma provisória.

Os vereadores presentes se comprometeram a articular junto aos seus deputados apoio na captação de recursos, além de buscar sensibilizar o governo do estado para agilizar o aumento do repasse, que gira em torno de R$ 8 mil reais mensais. Outra ideia levantada é de promover a participação da sociedade através de doações na conta de energia elétrica e uma campanha online para se arrecadar recursos que possam auxiliar no pagamento das dívidas.

A secretária de administração e finanças do município, Luciana Pereira se comprometeu em analisar a possibilidade do aumento dos repasses da prefeitura, que atualmente são de R$ 118 mil. “O que recebemos hoje por mês não paga a conta do hospital”, detalha a vice-presidente da entidade, Tatiana Mansur Blosfeld.

Para sair da crise financeira, a atual diretoria tenta um empréstimo emergencial e para isso segue buscando encontrar empresários para conseguir o crédito junto ao banco. “Estamos buscando avalistas que acreditam no hospital”, salienta o presidente.

Após resolver as pendências na liberação da CND e na divulgação da auditoria, a diretoria pretende implantar um plano de recuperação, através de um diagnóstico de viabilidade e a criação de um portal da transparência.

Notícias relacionadas