Foto: Freepik

Mulheres que tiverem até 65 anos terão a oportunidade de fazer reconstrução mamária gratuitamente em um mutirão beneficente, em Florianópolis, em outubro. O projeto é de um grupo de médicos voluntários e está aberto à pacientes de todo o estado, que podem se inscrever para a seleção de usuárias, desde que preenchendo os requisitos necessários (veja mais adiante).

Diante da demora de as pacientes conseguirem realizar estas cirurgias por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), um grupo de médicos voluntários se reuniu há seis anos e deu início à ação, realizada com parcerias com hospitais, fornecedores e captação de fundos, por meio de doações e vendas de rifas.

De acordo com o cirurgião-plástico Ricardo Votto, que integra o grupo de profissionais envolvidos na ação, existem dados científicos que comprovam que depois de realizada a cirurgia, há “melhora na auto-estima, melhor aceitação da imagem corporal, melhora no relacionamento sexual e, principalmente, melhora na sobrevida livre de doença”, salienta.

A afirmação do médico é confirmada também pela presidente da Rede Feminina de Combate ao Câncer (RFCC) de Laguna, Andréa Cascaes, que reforça a importância da ação beneficente. “Essa é uma oportunidade para quem na época não tinha o direito da reconstrução. Lembrando que é sempre importante a prevenção com auto-exame e mamografias. A Rede Feminina se coloca sempre a disposição para orientações e suporte para as pessoas que necessitam”, finaliza.

Em 2018, foram feitos mais de 70 procedimentos, que são oferecidos também pelo sistema público de forma gratuita às mulheres, e, quando possível, realizados imediatamente às cirurgias de remoção do tumor.

Como se inscrever

Basta enviar um e-mail para [email protected], com os dados de contato da paciente. Após o encaminhamento da mensagem, a equipe do mutirão procurará a inscrita para iniciar a triagem.

Os critérios de seleção, segundo a organização do mutirão, levam em consideração: idade (menos de 65 anos); não ter problemas de saúde ou mal controlados; ter feito o tratamento do câncer pelo SUS; não ter convênio e Índice de Massa Corporal (IMC) menor que 30 kg/m2.

“Nossa equipe entrará em contato para agendar uma consulta, onde será avaliada por um dos médicos voluntários que irá avaliar o caso, verificar se há indicação de procedimento e, se positivo, solicitar os exames pré-operatórios”, detalha Votto. A paciente deve ter disponibilidade para fazer exames nas próximas duas semanas e cirurgias nas primeiras três semanas de outubro.

O que é o câncer de mama

O câncer de mama é um tumor maligno que se forma pelo aumento de células de maneira desordenada, ocasionando o surgimento de um ou mais nódulos nos seios. Conforme estatísticas do Instituto Nacional do Câncer (Inca) é o tipo de câncer que mais mata, com quase 16 mil mortes registradas, segundo levantamento de 2015.

Esse tipo de tumor é o que mais atinge as mulheres, principalmente acima de 50 anos, e também é possível aparecer em homens, em escalar menor se comparado ao sexo feminino. O câncer de mama, diz o Inca, é “a doença mais temida, já que afeta a percepção da sexualidade e a imagem pessoal [das mulheres]”.

São sinais que podem indicar o surgimento de um tumor mamário: nódulo (caroço), fixo e geralmente indolor: é a principal manifestação da doença, estando presente em cerca de 90% dos casos quando o câncer é percebido pela própria mulher; pele da mama avermelhada, retraída ou parecida com casca de laranja; alterações no bico do peito (mamilo); pequenos nódulos nas axilas ou no pescoço; e saída espontânea de líquido anormal pelos mamilos.