Foto: Ilhacom/Agora Laguna

Aberta oficialmente nesta quarta-feira, 1º, a temporada de pesca artesanal da tainha começa a dar seus primeiros resultados. No primeiro cerco aos peixes, ao menos 200 quilos de pescado foram retirados das águas, na prainha do Farol, na região da ilha. Os números foram divulgados pelo jornal Farol da Ilha e pela prefeitura da cidade, que estima em 400 quilos, a quantidade real.

“Começamos muito bem e isso é muito importante. Se nota uma expectativa muito grande dentre os pescadores, que acham que esse ano vai ser uma safra boa. A gente fica muito feliz, pois a pesca é uma atividade que envolve toda a comunidade da região, é um tipo de atividade que permite a partilha. Resumindo, iniciamos com o pé direito”, afirma a representante da União das Associações de Pesca da Ilha (Uapi), Maria Aparecida Ramos.

Ainda de acordo com ela, a portaria com a legislação da pesca da tainha deste ano deve estar sendo publicada em breve com base no documento de 2018, e, mesmo sem a publicação, o início da pesca artesanal segue acontecendo neste dia 1º.

Na pesca artesanal, as embarcações anilhadas também terão uma redução determinada pela Justiça Federal que limitou em 62 o número máximo de licença entre o Rio Grande do Sul e Santa Catarina. Em 2018 foram 129 autorizações nessa modalidade, quantidade considerada excessiva, segundo a decisão.

A safra 2018 gerou uma produção total de 7.209 toneladas de tainhas. A quantidade ultrapassou em 29% o estabelecido para a pesca artesanal, que tinha uma cota de 1.205 toneladas, e em 154% na pesca industrial, que representou 80% do volume capturado.

No caso da pesca industrial, quase a totalidade do volume capturado ocorreu em um pequeno espaço de tempo de sete dias. Já a pesca artesanal foi melhor distribuída no tempo, com picos no mês de junho, até o fechamento da safra no dia 27 daquele mês.