Foto: Elvis Palma/Agora Laguna

Após anos de tratativas, a possibilidade de o Terminal Pesqueiro Público de Laguna (TPPL) ser gerido pelo Estado está próxima de se tornar realidade, segundo o diretor-presidente da SC Parcerias (SCPar), Gustavo Salvador Pereira. A informação foi dada em entrevista à reportagem do Portal Agora Laguna, em Florianópolis.

A estatal que comanda os portos de Imbituba, no Sul, e São Francisco do Sul, no Norte, já fez alguns levantamentos de informações referentes ao terminal de Laguna, assegura Pereira. O diretor-presidente afirma ter conhecimento das situações da fábrica de gelo e da possibilidade ser realizada uma dragagem no Canal da Barra.

“Para poder estar aprofundando mais, precisamos formalizar junto a Codesp e nos próximos 20 dias estaremos com um documento que nos permita compartilhar informações sobre a gestão”, prevê Pereira. A Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp), estatal federal, é quem comanda o terminal pesqueiro da cidade juliana desde a década de 1990.

De acordo com o diretor, somente a partir da realização desse estudo junto da gestão do terminal é que se poderá projetar investimentos a serem realizados no espaço, construído a partir da década de 1940, para funcionar como porto carvoeiro.

“A SCPar é hoje responsável por São Francisco do Sul e Imbituba, ambos portos de movimentação de cargas. Laguna seria diferente é um porto pesqueiro. Considerando que a Codesp não tem mais interesse na administração desse terminal, há uma sinalização do governo que tem interesse em fazer a gestão. Levando em conta que o terminal pode ser o caminho para o desenvolvimento de toda a região de Laguna”, salienta Pereira.

As discussões sobre a transferência de gestão estão acontecendo em conjunto pelas diretorias da Codesp, SCPar e Governo Federal. A estatal de Santos detêm a administração do terminal de Laguna por meio de um convênio de delegação que deve ser devolvido ao Planalto e a partir daí repassado para o Estado catarinense.

A prefeitura de Laguna na última semana divulgou que as movimentações para a estadualização podem ser concluídas em até três meses.  O prazo foi estimado após reunião de comitiva municipal junto às esferas federais, em Brasília, no começo do mês. “Estamos canalizando energias para que consigamos tirar isso do papel nesses próximos 90 dias”, destaca o diretor-presidente.

Possibilidade de ser ramal de Imbituba não está descartada

Uma das alternativas cogitadas para o Terminal Pesqueiro é de que Laguna seja utilizada como ramal do Porto de Imbituba. “Não está descartada a possibilidade de ser um canal, esse seria um caminho mais prático pois Imbituba tem a estrutura de administração bem desenhada. No entanto, lá é um porto de movimentação de carga e em Laguna, um terminal pesqueiro”, explica. Outras probabilidades, não reveladas pelo diretor, estão em estudo pela SCPar.

“Laguna tem condições de ser o maior terminal pesqueiro público do país. A grande maioria dos pescados são feitos na divisa de Santa Catarina com o Rio Grande do Sul. Não tem cabimento, hoje, o armador pegar o peixe na fronteira e ir até Itajaí descarregar o pescado, se nesse meio, temos um grande instrumento com capacidade para atender esses armadores, com uma fábrica de gelo para dar manutenção e subsídios. Além disso, se gasta menos tempo. A cidade tem tudo para caminhar com o desenvolvimento do porto e naturalmente ganha a região como um todo, com a geração de empregos e de investimentos que serão feitos”, finaliza.