Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

“Meu coração está a mil”, resume Liliane Martins, mãe da adolescente Cíntia Eliseu Ouriques, 17, moradora de Pescaria Brava. A alegria dela é por conta da notícia dada na tarde de quarta-feira, 25, de que a filha será operada na segunda-feira, 29. A jovem sofre de escoliose em grau avançado, condição descoberta há cerca de dois anos.

O procedimento cirúrgico foi inicialmente orçado em R$ 103 mil, e por conta disso foi criada a campanha Todos pela Cíntia, para arrecadar recursos para a realização da cirurgia. Há quase um mês, o valor foi reduzido em R$ 20 mil e semanas atrás, o Hospital Infantil de Florianópolis, aceitou fazer a operação sem cobrar.

Segundo Liliane, a instituição contou que uma cirurgia que seria feita no dia 29 foi desmarcada e com isso surgiu a vaga para a adolescente de Pescaria Brava, que seguirá para a capital do Estado no domingo, 28, onde será internada à espera do procedimento. “Peço que todos orem pela minha filha. Depois de muita espera, ela finalmente será operada”, finaliza a mãe.

Doações

De acordo com Liliane, parte do valor arrecadado na campanha Todos pela Cíntia será doado. “Fizemos uma doação de R$ 5 mil para a dona Valdeli, minha mãe, que sofreu um AVC e sempre me auxiliou com a Cíntia; à adolescente Erica Rocha, que passa por tratamento contra a leucemia, e à campanha de arrecadação para Iasmin, que precisa arcar com os custos com fornecimento de oxigênio”, comenta.

30 latas de leite também foram doados à uma mãe que precisava do produto e uma quantia deve ser repassada ao Asilo Santa Isabel, de Laguna, em breve. O restante do dinheiro, em torno de R$ 50 mil, será usado nos cuidados pós-operatório de Cíntia.

Relembre

A adolescente de 17 anos foi diagnosticada com a síndrome de Landau-Kleffner, quando tinha um ano e nove meses. A condição é uma forma rara de epilepsia infantil que resulta em sérios transtornos de linguagem e afeta crianças previamente normais, e sua maior característica é a grande ou súbita diminuição da habilidade de entender e usar a linguagem falada.

A história da jovem começou a mudar novamente há cerca de dois anos, após um banho. A mãe de Cíntia, Liliane Martins, notou que um dos ombros da jovem estava torto, achando que poderia ser alguma fratura, levou a menina ao médico. Nos exames feitos em hospital, o raio-X apontou a presença de escoliose de grau avançado – doença que deforma a coluna.