Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

Um grupo com cerca de 25 pescadores, a maioria moradores da região da ilha, fizeram um protesto de indignação em frente à sede do Sindipesca de Laguna, que representa a categoria no complexo lagunar. A manifestação foi feita na tarde desta terça-feira, 16, após o movimento a favor da permanência do atendimento pericial da previdência social na cidade ter sido transferido por conta do mau tempo.

Segundo os presentes, eles foram avisados do cancelamento da manifestação apenas quando já haviam atravessado a balsa e se dirigido à sede da previdência na cidade. “Acho uma falta de consideração dele, que não faça mais a gente de bobos. Isso não funciona assim”, comenta a pescadora Regiane Limas. De acordo com ela, a presença no protesto foi condicionada à manutenção da defesa dos interesses dos pescadores pelo sindicato.

   

“A gente paga R$ 200 [de contribuição sindical] para estarmos aqui e não há ninguém para nos atender, apenas uma menina que está aqui, nervosa, sem resposta alguma. Como que nós ficamos? Não temos seguro, não temos dinheiro. A pesca é uma droga, pois fecham ela no momento em que está dando peixe para o defeso”, diz outra pescadora que não quis se identificar. O movimento que seria realizado nesta terça, inicialmente seria apenas do sindicato sobre o não pagamento do seguro defeso, mas foi unido às reivindicações das demais entidades de classe sobre a previdência social.

“O ato foi convocado pelo Sindipesca e lojistas. Os comerciários cancelaram por causa do INSS e ele [Gilberto Fernandes, presidente do sindicato] não, por que ele chamou a gente por causa do nosso seguro, pois tem muitos pescadores que receberam e outros que não, que estariam em análise”, conclui a pescadora. Além de Laguna, a entidade representa ainda pescadores de Imbituba, Garopaba e Imaruí. Vários dos manifestantes afirmaram que não voltarão a participar de protestos do gênero por conta da decepção.

Contraponto

Em contato com a reportagem, por telefone, o presidente do sindicato confirmou a informação de que fez um procedimento cirúrgico no olho direito. “Saí eram 11 horas da manhã. Em cima da hora, foi cancelado por causa da chuva e ninguém esperava esse tempo ruim. Ontem fizemos uma manifestação em uma reportagem de televisão”, afirma Fernandes.

Ao ser questionado sobre a convocação impositiva do protesto, o presidente se defendeu: “A gente chama os pescadores e eles não aparecem. Ontem, foram apenas 12. Estou cansado de chamar os pescadores e eles dizerem para que eu vá sozinho”.

A informação de que o protesto na frente da agência do INSS em Laguna havia sido cancelada, foi divulgada pela subseção da Ordem dos Advogados do Brasil, uma das organizadoras do movimento.

Ouça: Entrevistas concedidas à reportagem