Previous
Next

Vereadores devem criar CPI do Carnaval

Possibilidade surgiu após as denúncias apresentadas pelo vereador Kléber Roberto Lopes da Rosa (PP), em seu pronunciamento na tribuna da casa legislativa.

Durante a realização da sessão ordinária da Câmara de Vereadores de Laguna, na noite de quinta-feira, 7, os edis cogitaram a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que deve investigar a suspeita de possíveis irregularidades nas contratações de trio elétrico e segurança privada, durante o Carnaval deste ano.

A possibilidade surgiu após as denúncias apresentadas pelo vereador Kléber Roberto Lopes da Rosa (PP), em seu pronunciamento na tribuna da casa legislativa (Assista na íntegra a sessão no final da matéria).

“O que eles fizeram no Baile das Bonecas foi a mesma coisa que realizar uma festa de aniversário em casa, marcar para começar às cinco da tarde e o docinho chegar só às dez da noite”, comentou Kek, como é conhecido.

O edil se refere aos problemas encontrados durante o concurso de marchinhas, musas e bonecas da praça, realizado todos os anos no bairro Magalhães e que marca a abertura do Carnaval na cidade. O evento marcado para começar às 20h só teve início às 23h, por conta do atraso na chegada do trio elétrico.

Em seu pronunciamento, o vereador afirma que foi realizado pelo secretário de Turismo municipal, Evandro Flora, um parecer técnico (veja o documento no fim da matéria), onde consta em detalhes os problemas encontrados. “O secretário foi em Curitiba e atestou os problemas”. Segundo Kléber, a autorização para a contratação do trio partiu da Fundação Lagunense de Cultura (FLC). “A licitação constava de vários itens, como painel de LED e dois geradores e não foi cumprido pela empresa”, finaliza.

Por conta das denúncias apresentadas, o vereador Roberto Carlos Alves (PP) sugeriu que se abra uma CPI para apurar os fatos.

De acordo com o prefeito Mauro Vargas Candemil (MDB), o trio elétrico foi contratado pela Secretaria da Fazenda, Administração e Serviços Públicos, conforme as especificações solicitadas no edital e recebidas da Secretaria de Turismo. “Esta é quem especifica o equipamento a ser contratado. Caso algum item não foi devidamente atendido, [e estamos com] processo em apuração, será avaliado quanto deverá ser descontado”, frisa Candemil.

Quanto à segurança contratada, o prefeito afirma que “não teve registros de reclamações que possam nos levar à uma apuração. Tivemos a colaboração acentuada da Polícia Militar, que elogiou e vai formalizar, pelo seu comando, o bom serviço prestado. Todas estas situações e outras serão objeto de uma reunião colegiada para avaliação do Carnaval, como um todo”, finaliza.

Assista a sessão na Câmara de Vereadores desta quinta-feira, 7.