Fecomércio divulga dados de pesquisa da temporada de verão em Laguna

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 108 visualizações,  4 views today

A Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo de Santa Catarina – Fecomércio-SC divulgou nesta semana o perfil do turismo e os números da temporada de Verão no estado e em Laguna. Os dados compõe a Pesquisa Turismo de Verão no Litoral Catarinense 2019, realizada anualmente com turistas e empresários em  Balneário Camboriú, Bombinhas, Florianópolis, Imbituba, Laguna e São Francisco do Sul, nos meses de janeiro e fevereiro.

Números de Laguna

Presença de turistas por cidade:

Em Laguna, 61,5% dos visitantes têm sua origem do Estado, principalmente Tubarão (27,7%) e Braço do Norte (12,3%).

Características e organização da viagem

De maneira geral, os veículos próprios vêm sendo o meio de transporte mais utilizado pelos turistas para chegar ao litoral catarinense. Em 2019, mais de 60% deles fizeram o uso deste meio. O transporte por ônibus, linhas regulares ou fretados também são muito utilizados para chegar ao destino final na temporada, sendo citado por boa parte dos turistas que têm como destino Laguna e Florianópolis.

Outra informação apurada na pesquisa sobre a mobilidade dos turistas trata de como eles se locomovem dentro das cidades. Na terra de Anita, o deslocamento com veículos próprios foi a opção de 69,4%. Nesse ponto, verifica-se a importância de investimentos em infraestrutura viária, como sinalização e conservação das estradas e pontos turísticos.

Hospedagem

Nesta temporada, os turistas ficaram bem divididos em três principais tipos de hospedagem: alugados, hotéis ou similares e casas de parentes e amigos. Em Laguna, 27,7% dos visitantes ficaram em imóveis próprios, tendo como média de permanência de 25 dias, justamente por receber mais turistas de cidades próximas, como Tubarão, por exemplo.

Nesta temporada, o gasto médio por grupo de turistas (3,8 pessoas), foi de R$3.955,00 em Laguna, puxados pelos gastos com hospedagem e alimentação e o tempo médio de permanência na cidade (25 dias).

Avaliação do destino turístico

Em nossa cidade, os fatores são igualmente distribuídos entre proximidade com a residência, visita a familiares e amigos e a qualidade e beleza das praias, que juntos somam 71% das observações. As opções de lazer também merecem destaque, com uma fatia de 14%.

Satisfação e fidelidade

Com a pergunta: Em uma escala de 0  10, o quanto você indicaria esse destino turístico para um amigo? (considere 0 não indicaria e 10 indicaria totalmente), é possível identificar:

Clientes promotores: leais e entusiasmados.
Clientes neutros: não são leais e não são entusiastas.
Clientes detratores: Tiveram experiências ruins, criticam e provalmente não retornam mais.

Na avaliação, destaque para o percentual significativo de detratores em Laguna (17%), levando a uma avaliação deste destino a uma zona de aperfeiçoamento.

Os principais motivos que influenciaram as boas experiências e levaram os turistas à categoria de promotores são: beleza e qualidade das praias, tranquilidade, receptividade, hospitalidade e clima agradável. Os preços foram citados em relação ao bom custo/benefício, ma mesmo entre os promotores alguns turistas acharam os preços altos.

O percentual de detratores identificou como pontos críticos o trânsito ruim, os preços altos e principalmente a sujeira na praia (tanto na cidade quanto na orla), o que engloba a situação do lixo e do esgoto.

Alguns situações apontadas pelos detratores resumem as observações: Não indica mais Laguna para seus amigos. Percebeu que há muito descaso com o turista. Encontrou mercado público, museus e casas de cultura fechados e pela extrema falta de educação das pessoas que deixam lixos na praia.

Não há investimento do poder público em infraestrutura, assim como na manutenção da qualidade da água e balneabilidade.

Questionados sobre a intenção de retornar à Laguna, 89,2% responderam que sim e 4,6% disseram não.

Notícias relacionadas