Reprodução/Redes Sociais

Erguido na primeira metade da década passada, o Centro de Eventos Mirante da Glória se tornou recentemente uma referência turística para a cidade com a construção de um deck com vista panorâmica para o Centro Histórico. No entanto, moradores e turistas, acostumados em ir até o local encontraram o espaço fechado.

A situação acontece há pelo menos quatro dias, mas o caso veio à tona sopmente neste domingo, 17, trazendo muita repercussão nas redes sociais. Alguns comentários questionavam a permissão para o fechamento do espaço e perguntavam se um particular poderia fazer isso em área que seria pública. “Acho isso errado pois muitos turistas e pessoas da cidade passam por aí para visualizarem Laguna, [assim] como antes mesmo de ter esse mirante já faziam”, disse uma das publicações.

O empreendimento é de propriedade da família Rennella, originária da cidade de Córdoba (Argentina), que atua desde os anos 1960 no ramo de placas publicitárias, chegando ao Brasil na década de 1990. Rodolfo Rennella, empresário que está à frente do restaurante, foi procurado pela reportagem do Portal Agora Laguna e ressaltou ser o proprietário do terreno onde está construído o Mirante da Glória.

Perguntado sobre o motivo do fechamento do espaço, Rennella garante que a decisão foi tomada em virtude de reformas estruturais. “Se a chuva colaborar, esta semana em dois dias ou mais, trocaremos todas as tábuas para que possamos reabrir de novo. Fechei para proteger as pessoas, imagina só se um menino passa por ali e acaba caindo. O problema vai sobrar para mim”, afirma. O empresário cita como exemplo de comparação as reformas em prédios históricos da cidade que, quando feitas, motivam o fechamento da estrutura para as obras.

“Coloquei a placa de propriedade privada para esclarecer a todo mundo que acha que o local não é da prefeitura e que o espaço é particular e que posso fechar para fazer as obras que forem necessárias”, pontua Rennella. Desde a aquisição do terreno, em 2005, mais de 1,5 milhão de dólares foram investidos pelo empreendedor no espaço.

Outro lado

Nas redes sociais, muitas pessoas indagaram sobre a responsabilidade da prefeitura quanto ao espaço. “Foi feito por uma pessoa particular, que entrou com o pedido na prefeitura e Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Tanto prefeitura e iphan autorizaram a obra após adaptações de acordo com a lei e normas técnicas”, explica o prefeito Mauro Candemil.

“A principal exigência era que teria que ficar aberto ao público, ter fácil acesso, ter acessibilidade de acordo com a [Norma Técnica] NBR 9050. Ou seja, o Mirante precisa ter uso público e não poderia ferir o direito da coletividade”, diz Candemil. O empresário afirma que a expectativa é abrir o espaço à população novamente até a semana do Carnaval.

Sobre as autorizações do empreendimento, o chefe do Executivo salienta que “tudo isso foi feito na gestão anterior” e que solicitou um processo de apuração junto à secretaria do planejamento e fundação do meio ambiente da cidade. Rennella, ao ser indagado sobre essa verificação do governo, destacou estar com toda a documentação do espaço em dia. “A construção do Mirante está dentro da lei e dentro do aprovado pela prefeitura”, conclui o empresário argentino.