Força-tarefa da Casan consegue desobstruir as tubulações do emissário submarino do Mar Grosso

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 28 visualizações,  4 views today

Após semanas de trabalho, a equipe de técnicos, engenheiros, mergulhadores e outros profissionais da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan) e de uma empresa especializada, conseguiram desobstruir nesta quarta-feira, 02, as tubulações do emissário submarino da praia do Mar Grosso. O entupimento dos encanamentos aconteceu há cerca de um mês, mas a situação só foi tornada pública após ter sido noticiada pelo Portal Agora Laguna, logo após o Natal.

Segundo informações da companhia, uma injeção de ar através da chaminé de equilíbrio (estrutura terrestre, instalada na orla da praia) mostrou bolhas na superfície marítima confirmando o desentupimento. O efluente está sendo bombeado desde as primeiras horas da manhã desta terça-feira, de maneira gradativa pela estrutura, implantado em 1986.

A interrupção na circulação dos efluentes foi causada pelo acúmulo de areia em uma das pontas da tubulação, localizada, conforme dados da Casan, à 1.500 metros da praia e à 9 metros de profundidade. Os encanamentos não foram desobstruídos totalmente, os mergulhadores continuam atuando no local, tentando liberar os tubos.

Giovani Pickler, chefe da agência da Casan em Laguna, afirma que a vencedora da licitação para a inutilização da estrutura já foi contratada. “Essa empresa deve estar iniciando ainda neste mês de janeiro e ela tem seis meses de prazo para concluir a obra. E a gente, tão logo encerre essa obra, vamos desativar definitivamente o emissário submarino”, garante.

Com a desativação, a rede de esgoto da bacia do Mar Grosso será conectada à Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) da Vila Vitória, que, afirma Pickler, está preparada para receber o efluente de um dos bairros mais populosos da cidade e um dos mais procurados pelo turistas, especialmente na alta temporada.

A tendência é que com a reativação da estrutura até o redirecionamento dos encanamentos, a utilização dos caminhões hidrojatos que estavam retirando o esgoto externamente e transportando para a ETE seja diminuída.

Entenda

Obsoleto, o emissário submarino foi construído há quase trinta e três anos pela Casan e está em vias de ser desativado desde novembro, mas atrasos na licitação impediram o início das obras. A estrutura despeja o efluente coletado pela bacia do Mar Grosso em alto mar e justamente a força da maré, que agitou a areia e causou o entupimento das tubulações.

A obstrução foi detectada há cerca de um mês e a partir disso, uma força-tarefa começou a trabalhar no desentupimento. A equipe tentou localizar a ponta com problema e obteve sucesso no domingo, 30 de dezembro, mas as condições climáticas que deixaram o mar revolto, impediram o acesso dos mergulhadores ao local do bloqueio.

O emissário, segundo Pickler, só entupiu três vezes nos mais de trinta anos de funcionamento. Até a desobstrução, caminhões hidrojatos foram contratados para fazer o transporte do efluente de maneira externa até a estação de tratamento, diariamente, enquanto que funcionários da Casan, construíram uma rede paralela para auxiliar no escoamento do esgoto.

O assunto chegou a ser tema de uma reunião entre a companhia e órgãos da prefeitura municipal. Em nota divulgada no último dia de 2018, o governo anunciou a deflagração de uma operação para “detecção dos pontos de ligação clandestina na rede pluvial, sendo que os proprietários dos imóveis irregulares serão autuados, multados, lacradas as ligações irregulares e obrigados à ligação na rede de esgoto implantada recentemente”.

Foto: Casan/Agora Laguna

Atualizado às 21h47.