Divulgação/PML

Uma equipe técnica da Companhia Catarinense de Águas e Saneamento (Casan), atuou na manhã desta quinta-feira, 24, em conjunto com técnicos da prefeitura, em mais uma ação da operação Lacre Ambiental.

O trabalho desta vez contou com um diferencial: o uso de uma máquina geradora de fumaça. O equipamento é disposto em uma das tubulações e conforme o vapor vai sendo transportado é possível identificar as (ir)regularidades da rede.

A fumaça espalhada no cruzamento entre os sistemas de drenagem pluvial e esgoto é atóxica, não representante riscos à população local. Segundo a prefeitura, em menos de um minuto duas clandestinidades foram observadas.

Se o vapor for expelido em um banheiro, pia, ou em algum lugar diferente das caixas de inspeção da companhia concessionária, o local é lacrado ou, se for possível, o proprietário é multado e instruído a fazer a ligação correta.

A municipalidade garante que a Lacre Ambiental, deflagrada há pouco mais de duas semanas, deverá prosseguir pelos próximos meses com novas frentes de trabalho na praia do Mar Grosso.