Editoria de Arte/Agora Laguna, sobre imagem de reprodução

Um vídeo que vem circulando nas redes sociais e aplicativos de mensagem, como o Whatsapp, mostra o momento em que uma lotérica é assaltada. Segundo a legenda que acompanha as imagens, o estabelecimento seria a Lotérica Anita Garibaldi, localizada no Centro de Laguna.

Alguns dos textos dizem que o fato teria acontecido no dia 21 de janeiro, pelo período da tarde. A reportagem do Portal Agora Laguna conferiu essa história direito, acompanhe:

Reprodução/Whatsapp

Mas é verdade?

Recentemente uma casa lotérica de Laguna, realmente foi assaltada. Como foi noticiado pelo Portal e por outros veículos da região, um vigia foi rendido por um grupo de cinco homens armados, que cometeram o crime. Entretanto, esse caso, ocorrido em 11 de novembro de 2018, não possui relação com o vídeo.

A reportagem entrou em contato com o proprietário da Lotérica Anita Garibaldi, que negou qualquer ocorrência do gênero e desconheceu a origem das imagens.

Afinal, de onde são as imagens?

Se não pertencem à Laguna, qual seria a procedência das imagens gravadas pelas câmeras de segurança? A principal hipótese é de que o vídeo seria da cidade catarinense de Anita Garibaldi, contudo, outra publicação indica que a filmagem teria sido feita em Curitiba, capital do Paraná.

A resposta para a origem foi encontrada em Lavras, cidade da região Sul de Minas Gerais. Segundo as informações publicadas pela edição mineira do portal G1, a reportagem local apurou que um homem armado fingiu fazer um jogo na lotérica para cometer o assalto. Diz a matéria:

Ele esperou cerca de dois minutos até que uma das portas que dá acesso aos caixas foi aberta e então correu para realizar o assalto.

A casa lotérica fica no bairro Jardim Glória e o crime, realmente, aconteceu em 21 de janeiro. Aponta o G1, que nenhum suspeito foi localizado durante rondas feitas pela Polícia Militar. Veja a reportagem do G1, aqui.

Notícias falsas

Numa era de propagação enorme de informações, principalmente com a facilidade instantânea de compartilhamento de notícias, as pessoas não estão livres do surgimento de notícias falsas, ou, como se popularizaram, fake news.

A divulgação de informações inverídicas não possui uma legislação ou artigo em código penal específico no Brasil, entretanto, quem se considerar vítima de uma notícia falsa, pode procurar medidas judiciais cabíveis, visando responsabilizar o autor ou o republicador da mentira. Os casos podem resultar em punição criminal ou indenização reparatória.

Simplificando
  • A notícia tem alguma fonte ou link confiável? É real.
  • A publicação disse que apareceu na TV, mas não tem prova? Não compartilhe.
  • Uma parte da notícia é impactante (ex: Lotérica é assaltada)? Leia o resto, muitas vezes: as aparências enganam.

Na dúvida, procure sempre pesquisar na internet alguma notícia relacionada, muitos portais e sites se tornaram especializados em desmistificar essas fake news. Caso a resposta não esteja online, procure outro meio de comunicação, como rádio, jornal, incluindo televisão, se a sua região estiver abrangida por esses veículos.

O compartilhamento de notícias falsas não prejudica só o trabalho da imprensa, atrapalha as investigações policiais ou a atuação de profissionais como socorristas do Samu ou Bombeiros. E sobretudo, afasta, você, leitor, da informação real, apurada, e bem divulgada.