Foto: Luís Claudio Abreu/Agora Laguna

Os estudantes das comunidades de Bentos, Barranceira, Caputera e Jardim Juliana, entre outras, poderão ser beneficiados com uma linha intermediária de transporte coletivo em conjunto com o itinerário vindo do Itapirubá, a partir do próximo ano letivo, com previsão para início em 11 de fevereiro.

A criação da rota é um pleito da escola Saul Ulysséa, que identificou a necessidade do trajeto durante a elaboração do Plano de Ofertas Educacionais (POE), em setembro deste ano, e apresentou o projeto à Coordenadoria de Atendimento de Laguna – à época, componente da Agência de Desenvolvimento Regional (ADR) de Tubarão, hoje independente do órgão – e que interviu junto à empresa concessionária do serviço.

O motivo principal para a implantação é que, segundo Olga Júlia, coordenadora de atendimento em Laguna, no próximo ano, o colégio de Cabeçuda e o Almirante Lamego (antigo Ceal), do Centro, serão as únicas escolas da cidade a oferecerem ensino médio noturno com matrículas aberta para novos estudantes.

Além do oferecimento do curso, outro fator que pesou no pedido para implantação da linha foi a Lei de Zoneamento Escolar (LZE) que determina que o estudante seja matriculado na escola mais próxima de sua zona de moradia. Para Iliomar Bitencourt, diretor da escola Saul Ulysséa, com a criação do percurso “cumpre-se aí a lei, o direito dos estudantes da Barranceira, Bentos, Jardim Juliana, entre outras, de estudar em uma escola que tem infraestrutura e condições”.

A ideia inicial era que a rota Mar Grosso x Cabeçuda fosse estendida, mas conforme a Lagunatur, concessionária do transporte coletivo, isso seria impossível. “Só podemos fazer se for com um ônibus extra, para não atrapalhar os horários das linhas que nós temos de forma contratual [concessão municipal]”, explica Cláudia Bonazza, consultora da empresa.

A companhia acena positivamente para a disponibilidade do percurso, desde que haja o número de estudantes suficiente para a lotação de um ônibus, que tem em média 40 lugares (comum) e 25 (micro). Conforme dados da direção da escola Saul Ulysséa, com base na primeira fase de matrículas, essa quantidade estaria garantida, no entanto, a confirmação oficial só será possível a partir do início da segunda fase, em fevereiro de 2019.

O trajeto do coletivo está em fase de estudos e deve ser finalizado assim que as matriculas sejam concluídas, uma vez que, por parte da empresa não será feita a partida do ônibus no roteiro tradicional e sim, iniciada a partir do ponto onde o primeiro estudante embarcar.

Empresa não descarta contratação de profissionais

A Lagunatur, afirma Cláudia, possui veículos parados nestes horários e que estes ônibus serão disponibilizados para a execução destas linhas. A consultora adianta que, se criada a rota, a empresa analisa a possibilidade de contratação de novos motoristas.

“A gente poderá contratar algum motorista como horista ou utilizar alguém [da companhia] que tenha escala mais leve para que possa compor esse horário. A empresa está preparada”, pontua.

A nova linha não seria exclusivamente escolar, podendo ser utilizada por moradores que desejam se deslocar até o centro da cidade, com o mesmo valor da tarifa comum R$ 3,60.