Divulgação/PML

A equipe da Frente de Trabalho esteve limpando a parte externa da Fonte da Carioca nesta sexta-feira, dia 9. A partir da próxima semana, os trabalhos serão intensificados na área ao redor da vertente aos pés do Morro da Carioca, que produz 3.535 mil litros por hora.

Uma região com características da mata atlântica, vegetação que precisa ser preservada para proteger a fonte. Local em dias de calor tem temperatura amena.

Chefe da Defesa Civil do município, Antônio da Silva; presidente da Fundação Lagunense do Meio Ambiente, Patrick de Souza e a representante do Conselho Municipal do Meio Ambiente, Carla Silveira estiveram visitando o local para estabelecer a melhor forma de realizar a limpeza e podas de algumas árvores preservando a vegetação.

As torneiras da Fonte foram fechadas nesta semana.

“São árvores centenárias, elas serão apenas podadas, e suas folhas e galhos no solo serão retiradas, com a nossa supervisão”, informou o presidente da Flama, Patrick de Souza.

Os detritos podem estar influenciando o solo e por decorrência a água. Três laudos apontaram desconformidade com a legislação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama). Não foi apontado coliformes fecais na água.

A presidente do Comdema, Carla Silveira, entregou para a Defesa Civil documento formalizando o pedido e o início imediato da poda das árvores.

“Uma equipe com escadas e maquinário estará a partir de segunda-feira trabalhando”, disse Silva.

Na parte interna da Fonte, depois de um portão de grades azuis, encontram-se as antigas casas de decantação da água e o local, onde um motor trás a água subterrânea para as torneiras passando por canos de inox. Bancos, antigo poste para pequenas luminárias, bromélias, ipês, pássaros como aracuam moldam a beleza do local histórico datado do século 18. Os visitantes tinham acesso ao espaço mediante autorização.

Próxima etapa será a limpeza desta tubulação e novos laudos serão atualizados.

A intenção é realizar com maior frequência testes de potabilidade da água. A expectativa é abrir novamente as torneiras da fonte o mais breve possível.

Uma forma preventiva para continuar oferecendo água gratuita para a população.

Foto: PML

Milhões de litros de água

O Governo Municipal recebeu o documento do Comdema na terça-feira, dia 6, sugerindo o fechamento da Fonte da Carioca para a manutenção.

Testes realizados por geólogos em 2010 diagnosticaram que a fonte produz 3.535 mil litros por hora, isso representa 2.542.200 por mês (dois milhões quinhentos e quarenta e dois mil e duzentos). O presidente da Fundação Lagunense do Meio Ambiente, Patrick de Souza, entrou em contato com os geólogos e eles irão prestar auxílio nas informações mais detalhadas.

Em 2010, o espaço foi revitalizado. Houve a troca do encanamento, que leva a água da nascente até as torneiras, por material em inox. As torneiras também são do mesmo material.

A água da Fonte da Carioca se forma através da infiltração do líquido da chuva, que penetra na terra até encontrar uma rocha, não conseguindo penetrar, a água retorna para a superfície em formas de vertentes, a água tem algumas características por ter recebido nutrientes ao passar pelas faixas de terra e rochas. Este processo demora anos para acontecer. O solo nas proximidades da vertente deve ser constantemente limpo para não ser contaminado e influenciar na pureza da água.

Laguna é uma das únicas cidades do Sul do Estado com fonte de água.

Comunicado Condema

Reuniu-se neste dia 6 de novembro de 2018, na sala de reunião da Udesc, o Conselho Municipal do Meio Ambiente (Comdema). Na pauta, os resultados das análises da água da Fonte da Carioca. Após discutido e aprovado foi deliberado pelo Conselho o fechamento imediato da Fonte da Carioca para fins de manutenção, sendo que a última foi realizada há 8 anos.

Tal providencia é imediatamente necessária a fim de estabelecer o consumo de água pela população, tendo em vista que alguns parâmetros diagnosticados pelo laudo estão em desconformidade com a legislação do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) tais como:

PH – responsável pelo parâmetro de estabilidade da água – apresenta diferenciações

Alumínio – está dentro da faixa limite para o consumo

Sólidos totais dissolvidos – são matérias orgânicas (fragmentos de folhas e galhos decompostos) e foi diagnóstico pelo laudo, conforme três testes examinados por laboratórios a pedido do Comdema.

Destaque que, o Conselho se compromete no acompanhamento e aconselhamento das medidas necessárias ao retorno das atividades da Fonte da Carioca

Carla de Souza Silveira

Presidente do Comdema

Fonte da Carioca, água gratuita

No início da sua colonização, Laguna tinha três fontes de água que abastecia a cidade. A fonte da Figueirinha, Campo de Fora e da Carioca, está a única preservada ainda hoje. A fonte da Carioca fica localizada ao lado da Casa Pinto D” Ulysseá, na Praça Lauro Muller.

No pé do morro, a fonte é abastecida de água potável.

Antigamente, apenas uma pequena bica jorrava água. No ano de 1863, uma estrutura foi construída por escravos, muito comum na época, pois eles realizavam o trabalho braçal. Foi denominada Carioca, que em tupi-guarani significa casa branca ou oca. A água da fonte foi por muito tempo, canalizada para prédios públicos e também para uma fonte ao lado do antigo Mercado Público.

O local tornou um dos pontos turísticos da cidade, levando a fama da fonte dos namorados. O motivo são as idas e vindas das famílias até a fonte.

Durante o passeio, os jovens solteiros trocavam olhares. O trajeto servia como atrativo, a água da Carioca era levada pelas famílias que visitavam os lagunenses. São nessas idas que casamentos iniciaram originando a fama do lugar.

Comum ouvir do turistas que visitam o local que “tomar a água da Carioca, é sinal que você irá voltar outras vezes”.

Como chegar:

Praça Lauro Muller, no centro histórico.