Comissão processante ouve vereador licenciado e testemunhas de defesa em audiência de instrução

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

 40 visualizações,  4 views today

Nesta quarta, 19, pouco depois das 14h, foi realizada a audiência de instrução da Comissão Processante da Câmara de Vereadores de Laguna, instalada para analisar denúncia apresentada em desfavor do vereador licenciado Antônio César da Silva Laureano (MDB). A reunião foi aberta ao público e teve a presença de aproximadamente quarenta pessoas.

A sessão foi presidida pelo vereador Adilson Paulino (PSD). A relatoria é de Rodrigo Luz de Moraes (PR). Também estiveram presentes o membro da comissão Kléber Roberto Lopes (PP) e o autor da denúncia Roberto Alves (PP). Por questões de segurança a reunião foi realizada nas dependências do Fórum de Laguna.

Em primeiro momento, os vereadores ouviram as testemunhas arroladas pela defesa do edil. Entre os ouvidos, que declararam não ter interesse na causa, estavam funcionários da Secretária de Pesca e Agricultura (Sepagri) de Laguna, que trabalharam na pasta durante a gestão do vereador denunciado à frente da mesma.

A comissão ouviu Laureano a respeito dos fatos que compõem os três processos a que ele responde e os quais foram relacionados à denúncia de Alves. O vereador explicou que estava sendo condenado, sem haver condenação e utilizou o espaço para sua defesa, para questionar a legalidade da apresentação da denúncia. A reportagem do Portal Agora Laguna tentou conversar com Laureano ao fim da audiência, mas não obteve êxito.

“Agora nos resta aguardar o prazo legal para as alegações finais, que é até o dia 26 de setembro, do denunciado e denunciante”, afirma Rodrigo Moraes. Segundo o relator, após esse processo, será elaborado o relatório da comissão.

O texto final será submetido à Câmara, para análise onde “o plenário dominante fará a votação com a relatoria ou contra, fazendo a absolvição ou a condenação com a perca do mandato”, explica Moraes.

Para a aprovação ou reprovação do relatório são necessários dois terços (nove vereadores) dos votos. Caso aconteça a cassação, Laureano também perde os direitos políticos por oito anos e fica inelegível até 2026.

Tentativa de agressão contra vereador é registrada ao fim da sessão

Momentos tensos marcaram o fim da sessão, com alguns dos presentes agredindo verbalmente o vereador Roberto Alves. Um dos membros da plateia, familiar do denunciado, tentou agredir fisicamente o parlamentar usando uma muleta.

Policiais militares e civis que faziam a segurança da audiência, interviram na situação acalmando os ânimos. Alves foi levado à delegacia junto com algumas testemunhas para registrar boletim de ocorrências. Ele não quis dar entrevista após o registro do fato.

Notícias relacionadas